sexta-feira, março 10, 2006

Da ética e do fanatismo

Falemos de dilemas morais e éticos. Pessoalmente, jamais conseguiria ser cinegrafista do Discovery Channel, porque se visse um filhote de elefante morrendo porque foi abandonado pela mãe, iria antes salvar o bichinho e me lixar para os potenciais prêmios representados pelo registro dessa imagem.

Talvez por isso eu jamais venha a ser uma "grande repórter". Pelo menos não aos olhos de quem acha que "pegadinha" é sinônimo de "jornalismo investigativo" e de quem acredita que o jornalista precisa estar acima do cidadão. Também é provável que por isso eu não entenda o raciocínio de muitos coleguinhas que comentaram esta notícia aqui.

4 Falaram:

At 11/3/06 22:28, Anonymous Truman Show Capote said...

Caramba... fui lá ver. O melhor comentário, sem dúvida, é o da fulaninha que diz mais ou menos "Tá, a Aracruz diz que foram destruídos 20 anos de pesquisas. Sim, mas que tipo de pesquisas? Hitler também fazia muitas pesquisas". Sensacional. Me senti na Fabico, circa 1980.

 
At 12/3/06 20:29, Anonymous Adriano said...

Realmente, a maioria nem endendeu o questionamento proposto. E quem entendeu
achou que isto é ser um jornalista imparcial.
A questão não é ética, basta lógica e linha do tempo.
Só mudar o objeto, de mudinhas para criancinhas, para se ver as besteiras dos comentários

 
At 13/3/06 10:33, Anonymous Maitê said...

Pois é, se eu fosse cinegrafista, salvaria aqueles pingüins da morte, na marcha, sabe?

Abs

 
At 13/3/06 13:44, Anonymous Mone said...

E eu colocaria mais fogo no circo. Estar na Aracruz e não dar uma ligadinha bem discreta pra BM?

 

Postar um comentário

Link

Criar um link

<< Volta