terça-feira, março 28, 2006

Do meu lado infantil

Comentário meu no post ali debaixo sobre a grossa do armazém acabou ficando com carinha de post.

Toda vez que alguém me oferece chiclé ou bala de troco eu pergunto se posso voltar ali outro dia e pagar parte da conta com o mesmo chiclé ou bala.

Também reclamo sempre que arredondam a conta e em vez de me dar 8 centavos, me dão 5 e perguntam "posso ficar devendo 3 centavos?" A minha resposta: "Prefiro eu ficar te devendo dois".

Sei que é cruel com a pobre menina do caixa, mas tem coisas nessa vida que me irritam por demais.

PS.: Aliás, essa coisa de balinha e arredondamento de troco pra menos nunca acontece no Zaffari... :-)

7 Falaram:

At 28/3/06 08:38, Anonymous Lella said...

eu fiz isso quando era pequena. estava num parque e passei a tarde comprando porcarias da mesma barraquinha. no fim do dia, juntei todas as balas de canela que o tiozinho me deu e troquei por um salgadinho. ele fez cara feia, mas teve que aceitar.

 
At 28/3/06 13:28, Anonymous Mone said...

hahaha! Que criança esperta! È, no zaffari nunca ganhei balinha de troco. e sempre que restam 8 centavos, as meninas dão 10.

 
At 28/3/06 19:43, Blogger Fernanda Souza said...

A tia-avó de uma amiga juntou uma vez todas as caixinhas de fósforo que ela ganhou de troco (é antigamente davam caixas de fósforo) e foi fazer compras com elas hehe

 
At 28/3/06 19:47, Blogger Cássia said...

O Márcio conta que, quando criança, recebeu caixa de fósforo de troco e jogou tudo fora. A vó, com razão, queria matar o pimpolho...

 
At 29/3/06 09:39, Anonymous nono said...

também fico puta com esse negócio de "posso te dever 1 centavo?".
at´´e bem pouco tempo atrás o Zaffari era campeão de ficar devendo um centavo, pelo menos o da Fernandes Vieira. Muitas vezes exigi meu um centavo de troco, apesar da cara feia da caixa. Mas parece que andou caindo a ficha de algum gerente que se deu conta que ficar devendo pra cliente é de ÚLTIMA! e agora pararam com esse negócio. o troco sempre sai certinho.

 
At 29/3/06 11:41, Blogger Angélica Lopes said...

Sabe qual é a origem da nossa ranzinzice?

Somos meninas que foram tentar a vida em SP e voltaram para nossas províncias de origem.

Daí, quando a atendente carioca, geralmente pertencente à classe das supermocréias, família das sem-educação, espécie das careteiras mal-humoradas, diz:
- Ah, agora não vai dar não.

Ou o taxista carioca, espécie dos camisa aberta taraões, bufa ao ver que a corrida é curta,
a gente fica saudades daquele sotaque paulistinha e eficiente dizendo:
- Pois não, senhora.
- Imediatamente, senhora.
- Como desejar, senhora.

ksss

 
At 17/4/06 01:39, Anonymous Eva said...

um dos folclores da minha família é minha bisavó, que juntava as balinhas da padaria e lá um belo dia chegava pro seu Luiz, o padeiro, derramava uma porção de balinhas no balcão e dizia: - um quilo de pão, faz favor. :)

 

Postar um comentário

Link

Criar um link

<< Volta