domingo, março 26, 2006

Ah é, é?

Fim de manhã de domingo, depois de uma caminhada pela beira do rio, num armazém movimentado e conhecido da vizinhança. Eu com 700 gramas de carne e um pote de nata para fazer a receita do molho carbonara como manda o figurino – duas colheres e nada mais.

A conta dá R$ 10,40, dou uma nota de R$ 20. A mulher do caixa – que também é proprietária do estabelecimento – pergunta, com seu tom grosseiro habitual:

– Tem 40 centavos?

– Não.

– Não quer ir ver se não tem no carro?

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

– Não.

– (Suspiro impaciente diante da gaveta CHEIA de trocado.)

– Ah, dá os 40 centavos de desconto – digo, em tom de brincadeira.

– Mas eu já nem tenho lucro nisso – diz ela, com mais do tom grosseiro habitual, apontando para o pote de nata.

– Então esquece a nata.

– Tá bom.

Maldito raciocínio lento. Foi só na calçada que me dei conta de que o animal grosseiro não me deu nota fiscal, donde se conclui que teria no mínimo o lucro do ICMS que deixou de pagar. Achei meio demais voltar para responder. Timing é tudo nessa vida.

A carbonara até que ficou razoável com um pouco de leite em vez da nata...

9 Falaram:

At 26/3/06 23:56, Anonymous Mirella said...

Na próxima tu deixa tudo e diz que vai comprar no Zaffari, então.

 
At 26/3/06 23:58, Blogger Cássia said...

Exato! É bem feito pra mim, que gosto de prestigiar os pequenos comerciantes...

 
At 27/3/06 08:44, Anonymous Mone said...

Que lucro essa anta quer ter se manda o cliente DEVOLVER produto em vez de pegar um simples chiclezinho para então fechar 11 reais??? POr deus!

 
At 27/3/06 19:38, Anonymous Lafayette said...

É, eu também fico fulo quando isso acontec comigo, Cássia. Parece que a gente tá fazendo um favor em comprarna coisa. Vou te contar!

 
At 27/3/06 19:40, Anonymous Lafayette said...

E olha que nem sei o que é carbonara!!! rsrs

 
At 27/3/06 21:06, Blogger Joelma said...

Tem um estabelecimento aqui perto de casa chamado PADARIA DA REPÚBLICA, ou PADOKA, como queiram, que por causa de casos parecidíssimos com esse, o mau atendimento e a grossura dos proprietários e funcionários, jurei nunca mais botar meus pezinhos número 34 ali. E acho que a gente tem mais é que boicotar esse tipo de comerciante mesmo. Pronto, desabafei. :)

 
At 27/3/06 21:06, Blogger Marcela Brack Mourão said...

mas nunca que eu ia desistir de comprar alguma coisa... bem capaz... a lei do troco não vale pra isso não? se tu tem dinheiro suficiente pra pagar, não é tua obrigação desistir de levar produto algum. pelo amor de Deus. jamais. ia ficar só olhando pra cara dela esperando ela dizer, ok, esquece os 40 centavos.

 
At 28/3/06 08:06, Anonymous Lafayette said...

Lembrei de uma coisa. Sabe aquele papo que você sempre escuta mas nunca soube, realmente, se alguém fez? Pois sim, conheço um que cai bem com este "post".
Pai de um amigo meu, este, o Sílvio, aquele, o tio Zé Macedo. Português, de Cintra, vez por outra recebia como troco os tais "adams". E ia juntado. Certo dia foi na padaria, pediu meio kilo de pão de batata e tchum! Depositou sobre o balcão as caixinhas
Só sei que saiu de lá com o pão e sem os "adams". Ah, e com um sorriso maroto nos lábios, no alto de seus quase 70 anos.

 
At 28/3/06 08:19, Blogger Cássia said...

Isso eu nunca fiz, mas toda vez que alguém me oferece chiclé ou bala de troco eu pergunto se posso voltar ali outro dia e pagar parte da conta com o mesmo chiclé ou bala.

Também reclamo sempre que arredondam a conta e em vez de me dar 8 centavos, me dão 5 e perguntam "posso ficar devendo 3 centavos". A minha resposta: "Não parece mais justo eu ficar te devendo 2 centavos?"

Sei que é cruel com a pobre menina do caixa, mas tem coisas nessa vida que me irritam por demais.

PS.: Aliás, essa coisa de balinha e arredondamento de troco pra menos nunca acontece no Zaffari... :-)

 

Postar um comentário

Link

Criar um link

<< Volta